Foto: Reprodução

Anestesistas ameaçam interromper atendimento a pacientes do SUS em Cuiabá

Da Redação

A primeira Tribuna Livre de 2020 deu voz ao Presidente da Anesclin, o médico José Pinheiro Coelho Filho, que falou sobre a defasagem da complementação aos valores da tabela SUS para média complexidade paga aos médicos de sua especialidade.

O médico esclareceu que os valores dessa tabela não são reajustados há mais de quinze anos e para agravar o quadro, o atual Secretário Municipal de Saúde, Antônio Possas de Carvalho, além de não repassar os valores da complementação, “não abre espaço para negociação”.

Em razão disso a categoria anuncia que pleiteia entrar em greve a partir do próximo dia 10 de março, caso não seja atendida em suas reivindicações.

Como exemplo da situação delicada que vivem, o médico fez uma comparação com os valores recebidos pelos anestesistas do Santa Helena e os do Novo Pronto Socorro.

Segundo afirmou, para o Santa Helena foram pagos, referentes aos trabalhos realizados em novembro de 2019, pouco mais de 17 mil reais por 317 cirurgias realizadas, representando cerca de 53 reais por cirurgia, em valores brutos, descontando os impostos, esse total cai para cerca de 14 mil, que divididos pela equipe de onze profissionais, chega a pouco mais de mil reais para cada médico. “Será que esse trabalho complexo e de alta responsabilidade vale só mil reais”, questiona o médico.

Para o PS, entretanto, foram destinados, ao mês, 66.000 mil reais, o que significa 2.200 reais por dia trabalhado, em plantão de 12 horas. Dr. Pinheiro salienta que essa é a tabela real. “Não são os profissionais do PS que ganham muito, nós do Santa Helena que estamos ganhando muito pouco”, disparou.

O vereador Ricardo Saad (PSDB), autor do convite, criticou a postura do Secretário Possas, para Saad, o Secretário “não tem visão de gestor”, porque parece não perceber a injustiça que comete contra os anestesistas.

Fonte: Assessoria


O que achou desta matéria? Dê sua nota!:

0 votes, 0 avg. rating

Deixe um comentário